26.2.09

Jack Horner, palentologista, pretende fazer a coisa mais legal de todas: criar um dinossauro ativando e desativando genes no DNA de pássaros. Se aprendi algo com Jurassic Park, foi que ressuscitar os dinosauros vale algumas dezenas de vidas humanas.
Nos últimos cinquenta anos, comida e sexo trocaram de lugar quando o assunto é moralidade.

25.2.09

O Dr. Math explica conceitos de matemática de forma clara e compreensível.
Na Internet de 1996, eu lia sobre RPG, procurava letras de música, participava d elistas de discussão e acompanhava sites ótimos que acabaram enquanto ouvia meu pai gritar sobre a conta de telefone.

22.2.09

Departamento de Aquisições


Presenta da minha irmã.
Reflexões sobre o futuro do jornalismo

Quem paga, para quê serve a imprensa profissional e para onde o negócio vai.
Perguntas e respostas podem ser muito mais seguras que senhas.
No Academic Earth, você pode assistir aulas de diversos assuntos de graça. Quem está se sentindo particularmente sedento de conhecimento, pode também se jogar no MIT OpenCourseWare. Daí é só falsificar o diploma.

20.2.09

17.2.09

I have been in grief. I walk down the street; I answer my phone; I brush my hair; I manage, at times, to look like a normal person, but I don't feel normal.
Se você gosta de verdade de quadrinhos e não sabe ou estuda inglês, você é uma besta. As edições nacionais sempre são MUITO mais caras que as americanas. Minha encadernação de Watchmen, por exemplo, custou METADE dessa que a Panini vai lançar. (E que sinopse sem pé nem cabeça é essa?)

Isso sem falar nas constantes interrupções e mudanças de formatos das séries.
Steven Levy reflete sobre o equiibrio entre privacidade e participação no Twitter.

15.2.09

12.2.09

Cartunistas indies fazem covers de capas de quadrinhos mainstream.
Poucas pessoas estão mas preparadas para aproveitar problemas de percepção do que Oliver Sacks. Nessa entrevista o neurologista diz como foi perder a visão de um olho.
Dos anos 50 para cá, os americanos se tornaram muito mais prósperos - salários e casas maiores, por exemplo - e paradoxalmente mais iendividados.
O consumo de pedaços humanos como medicamento tem uma longa e digna história na Europa.
4:20(Como diria o Alexandre Matias)
FHC falando sobre legalização da maconha no Jornal Nacional. Estou embasbacado.

11.2.09

Um monte de bobagens sobre a conexão entre quadrinhos e cinema - e que faz a pergunta que todos têm sobre Watchmen: "O filme fará jus aos quadrinhos?"

10.2.09

8.2.09

Em caso de colapso da sociedade, eu devo morrer uns dez dias depois que a energia elétrica acabar. Mas você pode se preparar melhor.
Pessoas em Copenhagen e Nova York dizem em quê estão pensando.

7.2.09

Uma das obras mais importantes na minha formação de leitor foi a Ler e Saber - Enciclopédia Juvenil em Côres, uma coleção de seis volumes meio mal organizados que rolavam pelas estantes lá de casa quando eu era criança. Eu desconfio que ela foi publicada originalmente em meados da década de 1940 ou início da década de 50 - não há menções à Segunda Guerra, energia nuclear ou penicilina. Os volumes são cheios de ilustrações, mas não têm uma única foto. Até onde eu saiba, meu avô comprou para os filhos dele quando eram crianças e sei que meu pai leu tudo.

Ao lado da Biblioteca do Escoteiro Mirim, considero essa uma enciclopédia infantil perfeita, com uma mistura de história, lendas, ciência, resumos de romances e muitas sugestões de atividades. Claro que ela é racista, imperialista e machista, mas os tempos eram outros e há de se dar um desconto.

Sei que li todos os volumes pelo menos uma vez e muitos dos artigos muitas e muitas vezes. Ficava louco para fazer certos experimentos, mas cadê material? Me lembro de consultá-la muito cedo - com uns seis anos, pelo apartamento em que morava - e essa é uma das minhas lembranças literárias mais antigas. Passei dias e dias da minha infância com esses livros, ao mesmo tempo saciando e estimulando uma curiosidade que acredito ser uma das minhas características mais perenes.

Há alguns meses, me lembrei dela e liguei para o meu pai para pedí-la. Como recordação da infância dele, a Ler e Saber foi para a biblioteca dele depois do divóricio dos meus pais. Esses volumes e uns livrinhos de histórias com capa vermelha e dourada são das melhores recordações da minha infância e não queria que eles se perdessem. As informações - e a visão de mundo, para ser franco - neles são absurdamente desatualizadas, então os livros não iam servir para minha irmã pequena ou os irmãos dela. Daí - antes que sumissem em alguma mudança, reforma, incêndio ou doação - resolvi trazê-los para cá. Peguei os livros com meus pai na minha última visita a Salvador e agora estão na minha estante. Só sairão de lá se meus irmãos tiverem filhos.

4.2.09

Dizem os indianos que vão fazer um computador de dez dólares. Eu espero que seja verdade: sempre fui fascinado pela engenhosidade de computadores menores e mais baratos ou formas de aproveitar máquinas antigas.